• Monsenhor Décio Ravagnani

    Pároco Emérito da Paróquia Nossa Senhora do Rosário (Hortolândia)

    MONSENHOR DÉCIO RAVAGNANI Nascido aos 12 dias do mês de março do ano de 1944, na cidade de Mogi Guaçu, interior do Estado de São Paulo, segundo filho de uma família de 5 irmãos, foi escolhido por seus pais, o Sr. Cyneu Ravagnani e a Sra. Olga Galhardoni Ravagnani, o nome de Décio Ravagnani.Família de formação cristã, temente a Deus, apresentava então seu filho, aos 9 dias de abril de 1944, à Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceição, em Mogi Guaçu para que recebesse o Sacramento do Batismo das mãos do Frei Clemente Marradan. Foi crismado por Dom Manoel da Silveira D`Elboux, então Bispo da Diocese de Ribeirão Preto/SP.Aos 07 anos, entrou na Escola Padre Armani na também cidade de Mogi Guaçu, aonde cursou o ensino primário e recebeu todo o alicerce da sua formação fundamental, já demonstrando desde cedo toda a sua preocupação com o próximo e esforços para participar ativamente das campanhas da escola. É liderança nata na escola, na igreja e na família.Já nos anos de 1960 a 1963, quando cursava o 2º grau da Escola “Cene” Luiz Martini, começava a desabrochar e despontar toda sua potencialidade, preocupado em liderar campanhas, dias de lazer e palestras para jovens.Trabalhou também como escriturário na Prefeitura Municipal da cidade de Mogi-Guaçu entre os anos de 1959 a 1972, enquanto cursava o magistério no I. E. “Mons. Nora”, em Mogi-Mirim.Sempre preocupado com o ensino, estudante dedicado, cursou o ensino superior na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Poços de Caldas – MG, tendo concluído o 3º e 4º anos na cidade de São José do Rio Pardo.Torna-se participante da Cruzada Eucarística, e nesta época já era coroinha, já ajudando nas Celebrações.Como presidente da Comissão dos Festejos, fez contar com a presença do então Bispo Diocesano Dom Tomás Vaquero na solenidade de formatura da sua turma, tornando-se um marco na vida dos então formandos.Foi líder do movimento T.L.C. (Treinamento de Liderança Cristã) em sua cidade e na diocese era ajudado pelo Côn. Orlando e Padres Augusto e José Benedito. Com destaque o T.L.C. quase se tornou um clube de serviços, atuando em todas as áreas de assistência social de memorável e destacável participação na catastrófica enchente que atingiu a cidade de Mogi-Guaçu no ano de 1969, desabrigando várias pessoas. Foi o T.L.C. que os assistiu nesse momento tão difícil, resolvendo todas as necessidades dos desabrigados.Foi neste período que sentiu que algo mais forte lhe chamava para o seminário.Fez curso de teologia na Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção, no antigo seminário Central do Ipiranga, durante os anos de 1972 a 1975.Já em sua preparação para o sacerdócio, recebeu do Bispo Diocesano Dom Tomás Vaquero, os ministérios de Leitor e Acólito no dia 03 de Agosto de 1974 e o Diaconato no dia 22 de Junho de 1975, todos na Igreja Matriz de Mogi-Guaçu.Meses depois, no dia 12 de março de 1976, foi enviado para a cidade de Vargem Grande do Sul, como diácono, tendo sido apresentado aos fiéis pelo então pároco, o saudoso Mons. Celestino C. Garcia.Com a idade de 32 anos, no dia 06 de junho de 1976 no Santuário Nossa Senhora do Rosário, em Mogi Guaçu, ocorreu sua Ordenação Sacerdotal, ungido pelo Bispo Diocesano Dom Tomás Vaquero, foi lhe confiado por Deus, a missão de pastorear as ovelhas do rebanho.Celebrou sua primeira missa, campal devido ao grande número de fiéis presentes, na sociedade humanitária, no dia 17 de junho de 1976, numa comunidade da Igreja de Sant’Ana, de Vargem Grande do Sul. Na oportunidade foi lido pelo Mons. Antonio David, então Vigário Geral, a Provisão da Cúria Diocesana nomeando-o Vigário Auxiliar. Começava aí uma missão de 18 anos perante os olhos de Deus, como líder espiritual da comunidade Sant’Anna.Dinâmico, zeloso, trazia consigo na bagagem a força jovem. Começou por reunir as Associações Paroquiais: Apostolado da Oração, Liga Católica “Jesus, Maria, José”, a Legião de Maria, a Obra das Vocações Sacerdotais, o Dispensário Santo Antônio e São Vicente de Paula, para uma reciclagem e adaptação às normas do Concílio Vaticano II e às Conclusões de Puebla.Assume a função de ecônomo, cuidando de assuntos administrativos da Paróquia com a participação ativa na reforma da Igreja Matriz de Sant’Anna, com conclusão das obras em 21 de julho de 1977.  Implanta os novos movimentos de evangelização, inicia o curso da Boa Nova, implanta o Neo-Catecumenal em 1978, lança as CEBS (Comunidades Eclesias de Base) em 1979.Dinamiza e implanta definitivamente o dízimo na Paróquia.Inicia as obras de construção do Centro Pastoral Santo Antonio, organiza o Ministério Extraordinário da Eucaristia, orienta e concede especial atenção às equipes de Liturgia, criando várias pastorais, fazendo que os leigos se sintam engajados e tocados na necessidade de participarem.Executa, juntamente com o apoio da comunidade reforma na Igreja de Nossa Senhora da Aparecida e constrói a Igreja Nossa Senhora das Dores e São Francisco de Assis, Santa Rita de Cássia, São José, Santa Edwiges, Santa Luzia, Santa Cecília e deixa quase concluída a Igreja de São Joaquim.Sempre preocupado com a irmandade, dedica-se e apóia todas as boas iniciativas de municipalidade. No campo assistencial é preocupado com a saúde dos carentes, lidera um movimento para a criação e construção de um Pronto Socorro Municipal.Sem nada esperar em troca, trabalha arduamente, em todos os propósitos da vida humana e espiritual e tendo feito por merecer e em reconhecimento a sua dedicação, é concedido-lhe no dia 26 de junho de 1976, pela Câmara Municipal de Vargem Grande do Sul, com aprovação popular, o Título de Cidadão Vargemgrandense, na presença da população e autoridades municipais e estaduais.Padre Décio recebe o título de Monsenhor em 9 de novembro de 1991, ano em que a paróquia Sant’Ana estava completando cem anos.Estando em Vargem Grande do Sul, foi convidado pelo Bispo Diocesano a ser Diretor Espiritual dos Seminaristas da Diocese de São João da Boa Vista, lecionando Filosofia no Seminário Coração de Maria da Diocese. A maior parte de seus anos de sacerdócio foram dedicados à cidade a aos fiéis de Vargem Grande do Sul, porém nada pode ser analisado pela questão de tempo e quantidade nele permanecida, mas para se executar a missão de Deus e o destino que lhe traçariam outros lugares e desafios a enfrentar, que seriam de tempos menores, mas nunca menos prósperos ou fortes. Deus o tinha escolhido a dedo e sabia que nunca Monsenhor Décio desistiria da missão que lhe tinha designado para cumprir. E assim foi... A cidade de Vargem Grande do Sul o perdia e ainda hoje sente saudades e chora a sua perda.No dia 30 de dezembro de 1994 é transferido para a cidade de Ribeirão Preto – SP para a Paróquia Senhor Bom Jesus do Bonfim, na Arquidiocese de Ribeirão Preto. Com desafios novos, se lança ao trabalho com entusiasmo, como se fosse o primeiro e o “Sacerdote Construtor” como fora chamado um dia, executa trabalhos de destaques, como a reforma da Casa Paroquial, reforma da Igreja Matriz, reforma do Salão Paroquial, reforma do Centro catequético e construção de quatro salas para a catequese.Demonstrando preocupação não com o material, mas sim com o acolhimento e conforto dos fiéis, proporciona-lhes lugares apropriados para preparações, reuniões e celebrações em local digno de ser chamado de “Casa de Deus”.Em esforço conjunto com a comunidade, consegue a compra de um carro, tão necessário e preciso para a Paróquia.Sem nunca descuidar da parte espiritual, faz uma reestruturação e dinamização de todos os Movimentos e Pastorais, com uma grande injeção de ânimo, direção e vida nova.De natureza simples, amado pelas crianças, nunca se esqueceu delas e talvez seu trabalho de maior destaque tenha sido a formação de grupos de coroinhas, que contou com 83 crianças e adolescentes e o grupo de clarissas, que contou com 35 pessoas.Implantou, deu sustentação e base no dízimo da Paróquia.Mas, novamente Deus tinha novos planos na sua caminhada e como tudo tem seu início e fim, havia novos lugares precisando de seus trabalhos e novamente ele calça as sandálias, veste a túnica e no dia 1º de janeiro de 1997 é transferido para a cidade de São João da Boa Vista – SP.No dia 3 de janeiro de 1997, toma posse da Paróquia de Nossa Senhora do Rosário – Diocese de São João da Boa Vista, aonde começa um trabalho de abertura e reestruturação de todos os Movimentos e Pastorais da Paróquia.Dinamiza o dízimo e cria setores de atuação, fazendo com que toda a comunidade se comprometa neste propósito.Efetua a compra para a paróquia, de grande necessidade para atender e cumprir compromissos com os outros lugares da comunidade principalmente as deslocações ao barracão da Igreja de São Sebastião para as celebrações.Dá um grande impulso na construção da Igreja de São Sebastião, juntamente com a equipe de construção e a então equipe de Eventos. Formaliza um pedido em dinheiro para o Adveniat na Alemanha para ajuda na construção da mesma igreja, tendo o pedido aceito.Consegue recursos para a reforma completa da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Rosário, que necessitava de reparos urgentes para melhor acolhimento dos fiéis.Executa e organiza toda parte Administrativa e Espiritual, e novamente a deixa com destaque para o grupo de coroinhas, que chegou a contar com 68 crianças e adolescentes.No dia 25 de dezembro de 1997, é designado pelo Bispo Diocesano Dom Dadeus Grings para um trabalho de muita responsabilidade e é transferido para a cidade de Tambaú – SP, para assumir o Santuário Diocesano Nossa Senhora Aparecida, aonde o assume no dia 9 de janeiro de 2000.Sua Missão principal agora é de organizar todo o processo de Beatificação do padre Donizetti, que precisava de vida nova, impulso novo. E o Bispo Dom Dadeus Grings iluminado por Deus, sabendo de sua experiência e competência confia-lhe este desafio.E já conhecendo seu espírito incansável, Monsenhor Décio se lança em outros propósitos e já demonstra seu lado empreendedor, executando a reforma e benfeitorias na Casa Museu do Padre Donizetti, bem como do prédio da Fundação Padre Donizetti.Compra um carro para o Santuário, para atender às necessidades de locomoção. E mais uma vez preocupado com a comunidade, executa uma reforma na parte espiritual e administrativa do Santuário. Executa também a confecção da escultura sem tamanho real do Padre Donizetti para o Santuário.A cidade de Tambaú é conhecida pelos seus romeiros, pela fé e crença da população que traz na lembrança os milagres do Padre Donizetti, que acolhe tão bem as visitas das pessoas de várias partes do Brasil, e que com o Mons. Décio não foi diferente, pois também recebeu este carinho e acolhida, que seja este o sinal de Deus em todos aqueles que acreditaram e que trabalharam neste propósito.Em fevereiro de 2003, foi designado pelo Bispo D. David Dias Pimentel para iniciar a 4ª Paróquia na cidade de Espírito Santo do Pinhal. Começou a organizar as Pastorais, conscientizando o povo para a realidade da Paróquia, denominada “Paróquia dos Santos Mártires”, tendo como padroeiros São Sebastião, São Pantaleão e Santa Luzia).Desenvolveu um trabalho com as famílias e juventude, criando espaço para a valorização da pessoa humana.Incentivou e acompanhou a grande festa em Louvor à Santa Luzia, onde se reúne na semana que antecede a festa mais de 40.000 pessoas.Sem descuidar da parte espiritual, também desempenhou um grande trabalho na parte material tais como: Construção da Igreja São Sebastião, reforma e ampliação da Igreja e Salão de Festas da Igreja de São Pantaleão, e construção e reforma da Igreja de Santa Luzia.Com forte apelo missionário em janeiro de 2006, com a aprovação de seu bispo Dom David Dias Pimentel, aceitou o convite do Arcebispo Metropolitano de Campinas Dom Bruno Gamberini para trabalhar na Arquidiocese de Campinas em virtude de um convênio entre as duas Dioceses: Campinas e São João da Boa Vista.Monsenhor Décio foi designado por Dom Bruno Gamberini a ser o Administrador Paroquial da Paróquia Nsa. Sra. do Rosário de Hortolândia, tomando posse no dia 06 de fevereiro de 2006, seno a sexta cidade a exercer seu sacerdócio.Após 3 anos administrando a Paróquia de Nossa Senhora do Rosário, o Monsenhor Décio Ravagnani deu às 08 comunidades um rosto novo, onde as pessoas foram conscientizadas sobre as necessidades afetiva, espiritual e material de grande parte da população, principalmente no Jardim Boa Esperança, Jardim Estrela, Residencial Recanto do Sol, Parque Orestes Ongaro, Jardim Nsa. Sra. Auxiliadora, Jardim São Jorge, Vila São Pedro e bairros adjacentes, onde organizou e continua orientando a Pastoral da Criança, realizando encontros mensais conforme normas da CNBB, onde também a Equipe do Kilo realiza distribuição de alimentos às famílias cadastradas.Vem buscando parcerias com a iniciativa privada e conscientizando os paroquianos sobre a partilha, não do que sobra, mas do que o irmão necessita.Por ocasião dos finais de ano organizou um grande trabalho de coleta de alimentos próprios para compor Cestas de Natal para os menos favorecidos.Organizou uma grande campanha de divulgação e conscientização por ocasião das enchentes de Santa Catarina, tendo sido coletado pela Paróquia Nsa. Sra. do Rosário uma expressiva quantidade de roupas e alimentos, orientando também sobre as contribuições em depósito bancário.Na área pastoral vem trabalhando com intensidade e evangelização, missão primeira da Igreja, orientando, formando, tendo alcançado os objetivos com as missões populares em 2008, onde posteriormente as famílias recebem visitas das pastorais de acordo com a necessidade, com prioridade para a Pastoral Familiar, onde vários casais tem se empenhado em valorizar o ser humano, valorizando a família.Por iniciativa da Câmara de Vereadores recebeu seu segundo título de cidadão, desta vez da cidade de Hortolândia. O Decreto Legislativo nº 80 de 06 de maio de 2009 é publicado e Monsenhor Décio passa a ser também cidadão hortolandense.Em 06 de novembro de 2012, Monsenhor Décio passa a ser definitivamente da Arquidiocese Metropolitana de Campinas, por decisão de Dom Airton José dos Santos com a concordância do Bispo de São João da Boa Vista, Dom David Dias Pimentel.Em 04 de Julho de 2015, o Arcebispo de Campinas Dom Aírton José do Santos, nomeia Monsenhor Décio como Pároco da Paróquia Nossa Senhora do Rosário.No ano de 2018 a fragilidade da saúde de Monsenhor Décio se torna publicamente visível, embora ele nunca tenha escondido de ninguém, ter uma saúde frágil. Debilitado já demonstra faltar forças.É importante ressaltar que se trata de um homem que poderia dar sua missão por cumprida, pois foi ordenado sacerdote em 1976, além de ter trabalhado como Funcionário Público Municipal da cidade de Mogi-Guaçu por 16 anos, mas o seu carinho e amor pela vocação cristã e sacerdotal, impulsionados pelo amor ao irmão torna-o forte, batalhador, incansável, contagiando a todos com seu entusiasmo e dedicação.Basta apenas olhar para trás e ver sua marca que vem sendo deixada no tempo e nos lugares por onde ele tem andado e a saudade que tem deixado nos corações deste povo de Deus.Exerceu seu ministério sacerdotal, quatorze anos em Vargem Grande, três anos em Ribeirão Preto, três anos em São João da Boa Vista, três anos em Tambaú, três anos em Pinhal e quatorze anos em Hortolândia. Com idade superior de 75 anos e com a saúde bastante comprometida Monsenhor Décio pleiteou a possibilidade de estar numa cidade litorânea, onde o próprio clima contribui e muito com sua respiração.No dia 13 de agosto de 2019, Dom João Inácio Müller em carta endereçada ao Bispo da Diocese de Santos/SP, Dom Tarcísio Scaramussa, solicita “Uso de Ordem”, no que é atendido em 16 de agosto.Dom João Inácio Müller, concede para Monsenhor Décio o Título de Pároco Emérito da Paróquia Nossa Senhora do Rosário, através do protocolo 32 do dia 28 de agosto de 2019., e em setembro de 2019 se muda para a cidade de Peruíbe/SP.
  • Informações

Veja mais em Padres Diocesanos