Comunicado Oficial: nomeado Dom João Inácio Müller como Arcebispo de Campinas

Por Barbara Beraquet | publicado em | Arquidiocese

Comunicado Oficial

Campinas, 15 de maio de 2019.

Com alegria comunicamos que o Santo Padre, o Papa Francisco nomeou, na manhã de hoje, Dom João Inácio Müller para Arcebispo Metropolitano de Campinas, sendo transferido da Diocese de Lorena/SP.

Sua posse acontecerá no dia 14 de julho, aniversário de Campinas, às 15h, em Celebração campal na Praça José Bonifácio em frente à Catedral Metropolitana Nossa Senhora da Conceição.

BIOGRAFIA DE DOM JOÃO INÁCIO MÜLLER

Arcebispo nomeado para a Arquidiocese de Campinas

Dom João Inácio Müller nasceu em 15 de junho de 1960, em Santa Clara do Sul – RS, Diocese de Santa Cruz do Sul. Fez a Profissão Religiosa solene perpétua na Ordem dos Frades Menores, no dia 14 de abril de 1985, e foi ordenado sacerdote aos 3 de dezembro de 1988. Estudou Filosofia na Faculdade Imaculada Conceição, na cidade de Viamão, na Arquidiocese de Porto Alegre – RS; Teologia na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (um ano) e no Studium Theologicum, em Jerusalém (três anos). Obteve a Licenciatura em Teologia Espiritual no Antonianum, em Roma no ano de 1996.

Durante seu presbiterado desempenhou as seguintes funções/ministérios:

– 1989 a 1993: Promotor Vocacional e Membro da Equipe dos Formadores da Província São Francisco de Assis, RS;

– 1997 a 2004: Vigário Paroquial da Paróquia São João Batista – Daltro Filho, Imigrante/RS e Guardião dos Frades do Convento São Boaventura, Imigrante/RS;

– 1997 a 2004: Mestre de Noviços, em Daltro Filho;

– 1998 a 2007: Secretário da Formação e Estudos da Província São Francisco de Assis e Definidor Provincial;

– 2001 a 2003: Secretário dos Secretariados de Formação e Estudos da Conferência dos Frades Menores do Brasil e membro da Comissão Internacional da Formação e dos Estudos da Ordem dos Frades Menores;

2005: nomeado, pelo Ministro Geral da Ordem, Visitador Geral da Província Franciscana de Santo Antônio do Brasil, Recife/PE;

– 2005 a 2007: Mestre dos estudantes de Filosofia e Teologia, Vigário Paroquial da Paróquia Santa Clara, Porto Alegre;

– 2007 a 2013: Ministro Provincial da Província Franciscana São Francisco de Assis, que compreende o Estado do Rio Grande do Sul;

– 2009 a 2013: Presidente da Conferência dos Frades Menores do Brasil;

– 2010 a 2013: Presidente da União das Conferências Latino-americanas Franciscanas e do Caribe – UCLAF.

No dia 25 de setembro de 2013, o Papa Francisco nomeou Dom João Inácio (então Frei João Inácio) para Bispo da Diocese de Lorena, recebendo a Sagração Episcopal pelas mãos de Dom Cláudio Cardeal Hummes, OFM, em Santa Clara do Sul, sua terra natal, escolhendo como lema do seu episcopado: Amor Dei Gloria (O Amor é a Glória de Deus).

De 2015 a 2019: Presidente da Província Eclesiástica de Aparecida/SP e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Social Transformadora, do Regional Sul 1. Dia 06 de fevereiro de 2019, foi nomeado, pelo Papa Francisco, Visitador Apostólico na Diocese de Limeira/SP.

No dia 15 de Maio de 2019, foi nomeado, pelo Papa Francisco, para Arcebispo da Arquidiocese de Campinas, sendo transferido da Diocese de Lorena SP.

Data de Nascimento: 15/06/1960

Ordenação Presbiteral: 03/12/1988

Ordenação Episcopal: 15/12/2013

Nomeado Arcebispo Metropolitano de Campinas: 15/05/2019

Brasão das Armas de Dom João Inácio Müller

brasão compõe-se de um conjunto de símbolos que indicam as linhas principais da vida e ação evangelizadora do Bispo em sua Diocese. É um programa de vida.

chapéu com as bordas e os laços, que envolvem o escudo, estão presentes no brasão de todos os Bispos e representam a união deles com a Igreja, o Papa, o Colégio Episcopal e o Povo de Deus. Traz sempre presente sua missão apostólica como sucessor dos Apóstolos, sob à luz do Espírito Santo.

Lema (Amor Dei gloria = O Amor é a Glória de Deus) indica a dinâmica da ação evangelizadora do Bispo, no esforço de animar o povo de Deus, a fim de que se torne Igreja viva, discípula missionária, responsável pelo dom do batismo (águas), testemunha do encontro pessoal com o Senhor. O lema é inspirado no Quarto Evangelho, na ótica franciscana. O Amor de Deus fez-se visível na carne, na história de Jesus Cristo: na pobreza da encarnação (presépio), na humildade das fadigas pelo Reino (pegadas) e em sua máxima caridade no alto da cruz (Santa Clara). Essa é a glória, a beleza de Deus, revelada e resplendente na vida do Filho bendito, cujo alimento era fazer a vontade do Pai, ou seja, uma vida entregue no amor e por amor, em fidelidade ao Pai. “Não existe amor maior do que dar a vida pelos amigos” (Jo 15,13).

Glória é a beleza de Deus, a vitória de Deus, a alegria de Deus. Essa reluziu sempre na vida de Jesus, mormente no alto da Cruz, na qual Ele está totalmente transfigurado e desfigurado por causa do amor vivido, encarnado e praticado. Existimos para seguir esses passos de Jesus. Essa é a trajetória que embeleza nosso viver e nos conduz à vitória; essa vida nos transfigura na beleza divina, identidade profunda de cada pessoa, imagem e semelhança de Deus. Essa é a glória que agrada ao Pai.

Santo Irineu lembra: “A glória de Deus é a pessoa humana viva”; e a vida da pessoa humana é a visão de Deus. Esse mistério de vida vem a nós, cada dia, na Santa Missa. A Eucaristia atualiza a Encarnação redentora de nosso Senhor: sua vida, morte e ressurreição, por amor a nós, na fidelidade amorosa ao Pai. Contemplamos essa encarnação no presépio, nas pegadas, na cruz: na vida de Nosso Senhor. Essa vida, nós, discípulos missionários, somos chamados a seguir, abraçar e fazer brilhar em nossas vidas.

verde prado e as montanhas lembram as terras férteis e belas da ‘mãe terra’: por Deus criada e vocacionada a alimentar cada um/a de seus filhos/as.

As águas dizem nossos rios, e recordam a frase de Jesus Cristo: “Sigam-me, e eu vos farei pescadores de homens. Eles deixaram imediatamente as redes, e seguiram a Jesus” (Mt 4,19-20). O Senhor chama para nova vida. “Eis-me aqui, Senhor!”

borda do Brasão traz a corda franciscana, cujos três nós recordam os Conselhos Evangélicos: castidade, obediência e pobreza. A cruz em forma de T – como São Francisco de Assis gostava de assinar – lembra o sigilo dos eleitos (Ez 9,4-6) e mostra-nos o instrumento pelo qual fomos salvos.

Nota: o Brasão Episcopal de Dom João Inácio Müller foi desenhado por Frei Arno Frelich.

 

A nomeação no portal do Vaticano pode ser acessada clicando aqui.


Pesquisa



Veja Também

Videos