Homilia de Dom Airton José dos Santos por ocasião de sua posse

23/04/2012
Barbara

Homilia de Dom Airton José dos Santos

Durante Missa de Posse Canônica na Arquidiocese de Campinas,
em 15 de abril de 2012.

Queridos irmãos e irmãs,

Saúdo as autoridades presentes ou representadas e, de modo especial, os Excelentíssimos Senhores Prefeitos dos municípios que compõem a Arquidiocese de Campinas e da nossa região.

Saúdo, de modo carinhoso e afetuoso, os padres de Campinas e de outras dioceses, os diáconos, seminaristas, religiosos e religiosas, leigos e leigas, agentes de pastoral, ministros da eucaristia e da palavra, homens e mulheres, pais e mães de família que, dia a dia, dedicam boa parte do seu tempo para evangelizar. Quero saudar também, de modo respeitoso, os queridos Bispos da Província Eclesiástica de Campinas, os Bispos todos que vieram para esta celebração, de modo muito especial, os Cardeais Dom Odilo Pedro Scherer e Dom Cláudio Hummes, que me ordenou diácono e padre.

Agradeço, de coração, a presença do Cardeal Dom Raymundo Damasceno Assis, Presidente da CNBB, e, de modo muito fraterno, quero agradecer a Dom Gilberto Pereira Lopes pelo esforço que sempre fez por esta Arquidiocese, ele que sempre se esforçou e dedicou a sua vida a este rebanho.

Dom Gilberto é um irmão. Não um irmão mais velho, mas mais experiente, que fez uma caminhada e que tem as possibilidades e capacidade de colaborar com este humilde servo no pastoreio desta grande Arquidiocese de Campinas.

Esta é uma Arquidiocese que traz em sua história grandes nomes, de homens e mulheres que conseguiram imprimir o seu modo de ser e de pensar na vida do povo autóctone e de tantos migrantes que vieram para esta região.

Chego à Arquidiocese de Campinas com a esperança de fazer a vontade de Deus. Nem sempre nós conseguimos, mas deve ser nossa busca contínua. Antes, devemos compreendê-la, aspirá-la e experimentá-la em nossa vida, para que ela possa se tornar prática, uma atitude e um acontecimento na história das pessoas.

Hoje, nós ouvimos o texto do Evangelho que São João nos dá. Esse texto, do Domingo da Misericórdia, nos mostra Jesus ressuscitado que saúda os seus discípulos dizendo: “A paz esteja convosco” (Jo 20). Que bom seria se pudéssemos dizer essas palavras às pessoas, em todo e qualquer momento: Que a paz esteja contigo, que a paz esteja conosco.

É imperioso que nosso desejo de que “que a paz esteja conosco” não sejam apenas palavras que pronunciamos. Elas devem recordar um relacionamento. Aquele que deseja a paz deve ir ao encontro da pessoa para desejar a paz. E é esta atitude que nós queremos viver na Arquidiocese de Campinas e inspirar, também, na vida de vocês.

Nós, batizados, somos, por natureza, missionários. E a primeira atitude missionária não é esperar que as pessoas venham até nós, mas a de ir ao encontro das pessoas para levar a elas a paz de Cristo. Não podemos ficar parados no lugar. Somos chamados a sair de nós mesmos, das nossas seguranças, do nosso modo de pensar, às vezes fechado e obtuso, e ir ao encontro daqueles que precisam ouvir a mensagem do Evangelho.

Cada um de nós, batizados e fieis, na realidade de vida onde Deus nos colocou, como pai, mãe, profissional, padre, diácono, religioso, religiosa, somos chamados a ser missionários, temos que ir ao encontro daqueles que esperam pela nossa palavra e pela mensagem do Evangelho.

Que as palavras do evangelista, que nos traz Jesus ressuscitado, garanta a certeza que Ele mesmo nos deixou, de que estamos caminhando para o Reino dos Céus, para o Reino Definitivo. Que nós sejamos inspirados pelo Evangelho, neste Domingo da Misericórdia, e que o sangue e a água que brotaram no lado aberto de Cristo nos purifiquem, nos lavem e nos inspirem para sermos, no mundo, aqueles que levam a Boa Nova do Evangelho.

Que assim seja.

Dom Airton José dos Santos
Arcebispo Metropolitano de Campinas