Assuncionistas

A Congregação dos Agostinianos da Assunção (A.A.), ditos Assuncionistas, foi fundada em 1845 pelo padre francês Emmanuel d’Alzon, na cidade de Nîmes, sul da França. Sua divisa foi retirada da oração do Senhor Adveniat Regnum Tuum (“Venha a nós o vosso Reino”) .
Os assuncionistas foram conclamados por Pio IX a trabalhar na missão do Oriente, que tencionava fazer voltar à Roma os cristãos ortodoxos. No século XIX lutaram pela liberdade do ensino católico e se dedicaram a combater a difusão do ateísmo. São considerados os pioneiros das peregrinações modernas, além de se destacarem na impressa católica, sobretudo na França, onde ainda dirigem o jornal La Croix” e todo o grupo Bayard Presse.

A Espiritualidade Assuncionista
A Espiritualidade dos Agostinianos da Assunção está centrada na acolhida alegre do Reino de Deus. Conforme a divisa que lhes deu seu Fundador, o Pe. d´Alzon, “Venha Teu Reino.” A esta acolhida alegre e constante do Reino de Deus, o padre d´Alzon legou aos seus discípulos o “triplice amor”, isto é, o Amor a Cristo, o amor à Virgem Maria e o amor à Igreja. Este tríplice amor implica uma espiritualidade cristocêntrica, um lugar dado a Maria, um serviço à Igreja.
A congregação é fortemente marcada pelo espírito de Santo Agostinho, cuja regra de vida os religiosos observam. Daí se orgina a busca da unidade na comunidade dos irmãos: “Acima de tudo, vivam unânimes na casa e tenham uma só alma e um só coração dirigidos para Deus”. A Congregação é apreciada, sobretudo, pela simplicidade de vida e pelo espírito de família, heranças de Santo Agostinho e do padre d´Alzon.
Para os Agostinianos da Assunção a vida fraterna se constrói todos os dias. O amor a Deus e às pessoas se prova e se revela na verdade das relações fraternas. Num mundo dividido, a vida do religioso assuncionista quer testemunhar que Cristo está vivo e nos reúne, para o anúncio do Evangelho.

Vida apostólica

O Campo de atuação dos assuncionistas não conhece fronteiras, a acolhida do Reino de Deus se manifesta em três aspectos: Verdade, Unidade e Caridade. Por conseguinte, o trabalho apostólico dos religiosos assuncionistas não está restrito a uma atividade específica, mas se destina a orientar a vida dos religiosos e leigos para uma crescente abertura a um vida de fé, de comunhão e de solidariedade com os mais pobres.
Homens de fé e homens de seu tempo, os assuncionistas são chamados a estar presentes “onde Deus é ameaçado no homem e o homem ameaçado como imagem de Deus”. O Pe. d´Alzon exortou seus filhos a que fossem sempre “ousados, generosos, altruístas.”